Amor a Deus

Senhor meu Deus, eu te adoro! A tua misericórdia não tem dimensão e nem restrição.

domingo 24 fevereiro 2013 18:43


A educação emancipa o sujeito

   A educação tem o poder de emancipar o ser humano, mas também tem o poder de aprisioná-lo. Com a educação podemos vencer  as desigualdes sociais e viver a cidadania plena.

domingo 22 janeiro 2012 00:09


Avaliação da aprendizagem no cotidiano escolar resumo do TCC

RESUMO

 

            O trabalho ora apresentado discorre sobre novas perspectivas de avaliar o desenvolvimento do ensino aprendizagem, porque acreditamos que o processo avaliativo tem o papel de analisar o desempenho do aluno e orientar o trabalho pedagógico mediante as reflexões acerca dos resultados. Neste sentido, a avaliação deve ser contínua e sistêmica, porém não deve ser usada para classificar ou sentenciar o aluno, pois isto pode provocar o fracasso e a evasão escolar. A escola deve ser um ambiente que promova a emancipação humana, pois esta é a finalidade dela.  Também discutimos sobre os instrumentos avaliativos; notas e conceitos bem como o resultado da pesquisa de campo onde três professoras de Ensino Fundamental do 1º ao 5º ano de escolas distintas da periferia de Maceió foram entrevistadas. A pesquisa de caráter qualitativo teve a intenção de constatar se a ausência de embasamento teórico é um dos responsáveis pela propagação da avaliação tradicional que tem em seu cerne o cunho excludente e sentenciador. Os estudos apontaram que a avaliação ainda é usada para medir a aprendizagem do aluno; onde o mesmo é o responsável por seu desempenho; as notas são  registradas nas cadernetas; o erro, basicamente, não é usado como fonte para redirecionar o planejamento, nem tão pouco, para compreender o nível de assimilação do educando. Quanto aos instrumentos, esses servem apenas para medir o rendimento do aluno. Conforme os relatos, o conselho de classe; a auto-avaliação; e a avaliação cooperativa não são utilizados enquanto instrumento avaliativo. Além disso, constatamos que as professoras tentaram ocultar a presença forte do modelo tradicional de avaliação, mas as descrições de suas práticas confirmaram a presença marcante deste paradigma.  Enfim, percebemos que a falta de formação acerca do assunto é, em grande parte, responsável pela prática de uma avaliação que puni e exclui o aluno. Para tanto, precisamos acreditar que é de fundamental importância romper com este modelo na sala de aula.

 

 

            Palavras-chave: 

 

            Avaliação da aprendizagem – Instrumentos de avaliação – Erro construtivo

 

quinta 05 janeiro 2012 14:45


História de Maceió na Educação Infantil

ESCOLA VINICIUS DE MORAIS                               

PROJETO: MACEIÓ PARAÍSO DAS ÁGUAS

1- ÁREA DO CONHECIMENTO: SOCIEDADE E NATUREZA

CLIENTELA: EDUCAÇÃO INFANTIL

 2- JUSTIFICATIVA:

CONHECER A HISTÓRIA DO LUGAR ONDE VIVE PERMITE A CRIANÇA A OPORTUNIDADE DE VALORIZAR A SUA IDENTIDADE SOCIAL E CULTURAL, E ISSO, É TÃO IMPORTANTE QUANTO IDENTIFICAR AS LETRAS E OS NÚMEROS. LEVAR ESSE CONHECIMENTO PARA A TURMA DE EDUCAÇÃO INFANTIL É SIGNIFICATIVO E UMA ATIVIDADE DINÂMICA PORQUE DESENVOLVE OS ASPECTOS: AFETIVOS, COGNITIVOS,  SOCIAIS E CULTURAIS.

HISTÓRIA DE MACEIÓ

HISTÓRIA

O POVOADO QUE DEU ORIGEM A MACEIÓ SURGIU NUM ENGENHO DE AÇÚCAR. ANTES DE SUA FUNDAÇÃO, EM 1609, MORAVA EM PAJUÇARA MANOEL ANTÔNIO DURO QUE HAVIA RECEBIDO UMA SESMARIA DE DIOGO SOARES, ALCAIDE-MOR DE SANTA MARIA MADALENA. O POVOADO QUE DEU ORIGEM A MACEIÓ SURGIU NUM ENGENHO DE AÇÚCAR. ANTES DE SUA FUNDAÇÃO, EM 1609, MORAVA EM PAJUÇARA MANOEL ANTÔNIO DURO QUE HAVIA RECEBIDO UMA SESMARIA DE DIOGO SOARES, ALCAIDE-MOR DE SANTA MARIA MADALENA.
AS TERRAS FORAM TRANSFERIDAS DEPOIS PARA OUTROS DONOS E EM 1673 O REI DE PORTUGAL DETERMINOU AO VISCONDE DE BARBACENA A CONSTRUÇÃO DE UM FORTE NO PORTO DE JARAGUÁ PARA EVITAR O COMÉRCIO ILEGAL DO PAU-BRASIL.

 

O NOME MACEIÓ TEM DENOMINAÇÃO TUPI "MAÇAYÓ" OU "MAÇAIO-K" QUE SIGNIFICA "O QUE TAPA O ALAGADIÇO". O POVOADO TINHA UMA CAPELINHA EM HOMENAGEM A NOSSA SENHORA DOS PRAZERES CONSTRUÍDA ONDE HOJE ESTÁ A IGREJA MATRIZ, NA PRAÇA DOM PEDRO II. O DESENVOLVIMENTO DO POVOADO FOI IMPULSIONADO PELO PORTO DE JARAGUÁ SENDO DESMEMBRADO DA VILA DAS ALAGOAS EM 05 DE DEZEMBRO DE 1815, QUANDO D. JOÃO VI ASSINOU O ALVARÁ RÉGIO.
COM A EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DE ALAGOAS, EM 1817, O GOVERNADOR DA NOVA CAPITANIA, SEBASTIÃO DE MÉLO E PÓVOAS INICIOU O PROCESSO DE TRANSFERÊNCIA DA CAPITAL PARA MACEIÓ, UM PROCESSO TUMULTUADO QUE ENCONTROU RESISTÊNCIA DE HOMENS PÚBLICOS E DA CÂMARA MUNICIPAL. UMA EXPEDIÇÃO MILITAR DE PERNAMBUCO E DA BAHIA CHEGARAM A MACEIÓ PARA GARANTIR A ORDEM E NO DIA 16 DE DEZEMBRO DE 1839 FOI INSTALADA A SEDE DO GOVERNO EM MACEIÓ. A PARTIR DAÍ MACEIÓ CONSOLIDOU SEU DESENVOLVIMENTO ADMINISTRATIVO E POLÍTICO. TEVE INÍCIO UMA NOVA FASE NO COMÉRCIO E COMEÇOU A INDUSTRIALIZAÇÃO.

AS PRINCIPAIS ATRAÇÕES DA CIDADE SÃO SUAS PRAIAS, DESTACANDO A PISCINA NATURAL DA PAJUÇARA, A LAGOA DE MUNDAÚ, OS MIRANTES E OS NÚCLEOS ARTESANAIS, ONDE SE DESTACA O BAIRRO DO PONTAL DA BARRA. ALÉM DAS FESTAS TRADICIONAIS, A CIDADE COMEMORA A FESTA DE SUA PADROEIRA, NOSSA SENHORA DOS PRAZERES (27 DE AGOSTO), O ANIVERSÁRIO DE MACEIÓ (5 A 9 DE DEZEMBRO) E O MACEIÓ FEST (CARNAVAL FORA DE ÉPOCA QUE ACONTECE NO MÊS DE DEZEMBRO).

FONTE: PREFEITURA DE MACEIÓ

3- OBJETIVO GERAL:

CONHECER E VALORIZAR A HISTÓRIA DE MACEIÓ.

3.1 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

3.1.1 - SABER O NOME DE SUA CIDADE;

3.1.2 CONHECER COMO SURGIU A CIDADE DE MACEIÓ

3.1.3 - EXPLORAR OS NOMES DAS LAGOAS E DAS PRAIAS ;

3.1.4 - TRABALHAR OS BAIRROS MAIS ANTIGOS: JARAGUÁ; TABULEIRO, PAJUÇARA;

3.1.5 - CONHECER A CULTURA POPULAR DE MACEIÓ;

3.1.6 - CONHECER MÚSICAS QUE FALAM SOBRE MACEIÓ;

EXEMPLO: PAJUÇARA E PONTA DE LÁPIS;

3.1.7 - EXPLICAR PORQUE MACEIÓ É CONHECIDO COMO PARAÍSO DAS ÁGUAS;

 4 ETAPAS PREVISTAS

  • Ø LER O LIVRO A HISTÓRIA DE MACEIÓ PARA CRIANÇAS POR PARTE SEGUINDO O CRONOGRAMA
  • Ø POR AS CRIANÇAS PARA DESENHAR O TEMA ABORDADO
  • Ø OUVIR AS MÚSICAS PAJUÇARA E PONTA DE LÁPIS
  • Ø CRIAR COREOGRAFIAS PARA AS MÚSICAS;
  • Ø TRABALHAR COM IMAGENS ANTIGAS E ATUAIS DE MACEIÓ;
  • Ø TRABALHAR COM AS IMAGENS DAS LAGOAS E DAÍ EXPLORAR OS CRUSTACEOS PESCADOS EM NOSSAS LAGOAS (EXEMPLO: SURURU, PEIXES)
  • Ø PINTAR POTES DE BARRO
  • Ø CONFECCIONAR POTES COM ARGILA
  • Ø TRABALHAR

5 - AVALIAÇÃO

OS ALUNOS SERÃO AVALIADOS PARCIALMENTE MEDIANTE:

A PARTICIPAÇÃO;A REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES; O APRENDIZADO DO CONTEUDO; A MUSICA ESTUDADA BEM COMO AS HABILIDADES PRESENTES EM OUTRAS ÁREAS.

CULMINÂNCIA

AS TURMAS IRÃO APRESENTAR AS DUAS MÚSICAS: PONTA DE LÁPIS E MACEIÓ MINHA SEREIA COM COREOGRAFIAS E COMO BRINDE PARA OS PAIS POTES DE BARRO PINTADOS ( MTZ E MT)  E POTES DE ARGILA CONFECCIONADOS (J.I E II).

6 CRONOGRAMA

 

 

11/07

 

 

 

Falar sobre o projeto:

Quem sabe a história da nossa cidade?

Qual é o nome da nossa cidade?

Trabalhar o nome do projeto

Mtz  e MT colar papel picado no nome Maceió

J. I E II montar o nome paraíso das águas com letras móveis

 

 

 

15/07

 

 

 

Trabalhar o livro A HISTÓRIA DE MACEIÓ PARA CRIANÇAS  p. 09

Ler e explicar  " ANTES DE MACEIÓ TORNAR-SE CIDADE, COMO HOJE, ERA UMA FAIXA DE TERRA CERCADA PELO MAR E LAGOAS, CHEIA DE FLORESTA HABITADAS POR ÍNDIOS."

MTZ E MT atividade pintar uma aldeia de índios

J. I II atividade ilustração no cad. Des. .

 

 

 

18/07

Trabalhar o texto da p. 11 ler ,explicar e depois perguntar aos alunos o que entenderam. Explorar a oralidade e a participação.

Atividade

MTZ  e MT PINTURA P.12

J. I II  caça- palavra com as letras que formavam o nome de Maceió antigamente

p/casa recorte e cole as letras que formam o nome de nossa cidade

 

 

 

 

22/07

 

 

Trabalhar o texto da p. 13 "como surgiram as lagoas" ler, explicar e questionar os alunos.

Atividade

MTZ   mostrar as imagens das lagoas e explorar os nomes delas

MT  mostrar as imagens das lagoas e explorar os nomes delas

J I mostrar as imagens das lagoas e explorar os nomes delas e os crustáceos e peixes tirados dela como sururu e os peixes

J II mostrar as imagens das lagoas e explorar os nomes delas mostrar as imagens das lagoas e explorar os nomes delas e os crustáceos e peixes tirados dela como sururu e os peixes. Listar os nomes das lagoas no cad.cl

 

 

25/07

Trabalhar a música ponta de lápis  ouvir várias vezes e interpretá-la DVD

MTZ   ouvir e desenhar a música

MT  assistir o DVD ponta de lápis e desenhar

J. I  assistir o DVD ponta de lápis e desenhar

J.II assistir o DVD ponta de lápis e desenhar

 

 

 

 

01/08

Trabalhar a letra da música Ponta de lápis

Escrever a música no papel 40

J.I  MONTAR COM LETRAS MOVEIS O NOME PONTA DE LÁPIS

P/CASA  DESENHE O TRECHO DA MÚSICA

J.II COPIAR A MÚSICA NO CAD. DE CLASS.

P/CASA DESENHE O TRECHO DA MÚSICA

 

 

 

 

05/08

TRABALHAR A CULTURA POPULAR DE MACEIÓ P. 64 E 65

MOSTRAR IMAGENS DO

ARTESANATO DO PONTAL DA BARRA

DANÇAS FOLCLÓRICAS  PASTORIL E FOLGUEDO

 

 

08/08

 

 

TRABALHAR A CULTURA POPULAR

MTZ PINTURA NO POTE DEBARRO

MT   PINTURA NO POTE DEBARRO

J.I         OUVIR A MÚSICA PONTA DE LÁPIS

J.II   OUVIR A MÚSICA PONTA DE LÁPIS

 

 

 

 

29/08/08

 

 

 

TRABALHAR A PRAIA DE PAJUÇARA P. 68 E 69

MOSTRAR IMAGENS DA PISCINA NATURAL DE MACEIÓ

MTZ COLE PAPEL PICADO NA JANGADA

MT COLE PAPEL PICADO NA JANGADA

J.I CONFECCIONAR POTES DE BARRO

J.II CONFECCIONAR POTES DE BARRO

ENSAIO

 

 

 

 

 

02/09*

 

TRABALHAR A MÚSICA MINHA SEREIA

OUVIR, CANTAR E DANÇAR DVD

MTZ PINTAR A SEREIA

MT PINTAR A SEREIA

J.I  CONFECCIONAR POTES DE BARRO

J.II CONFECCIONAR POTES DE BARRO

P/CASA

RECORTE E COLE FIGURAS QUE REPRESENTAM MACEIÓ

ENSAIO

 

 

 

 

05/09

PARAÍSO DAS ÁGUAS

EXPLORAR PORQUE MACEIÓ RECEBEU ESSE NOME

LER E INTERPRETAR O TEXTO

ATIVIDADE ILUSTRAÇÃO

ENSAIO

 

 

 

09/09

 

ENSAIO

15/09

ENCERRAMENTO DO PROJETO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

domingo 24 julho 2011 05:29


PROFESSOR CUIDAR DA VOZ É ESSENCIAL PARA GARANTIR QUALIDADE DE VIDA PROFISSIONAL E FÍSICA

PROFESSOR CUIDAR DA VOZ É ESSENCIAL PARA GARANTIR QUALIDADE DE VIDA PROFISSIONAL E FÍSICA

Dirle Maria Silva de Andrade Mota ¹

A linguagem é a utilização dos elementos de uma língua como meio de comunicação entre os sujeitos, uma das formas de exprimir o pensamento. Na concepção sociointeracionista, segundo Vellasco e Souza, (2001) a linguagem é um lugar de ação, de interação, uma “atividade”, uma forma de ação sobre o outro e sobre o mundo, ou seja, uma interação social, que possibilita aos membros de uma comunidade a prática dos mais diversos tipos de atos, que vão exigir dos semelhantes reações ou comportamentos, levando ao estabelecimento de vínculos e compromissos inexistentes [...] a interação humana pode ser explicada e descrita por meio da linguagem. A linguagem oral é uma das formas que articula o ensino- aprendizagem, o educador como mediador da construção e/ou reconstrução do conhecimento deve saber utilizar a voz conhecendo as técnicas vocais básicas para que de fato se efetive essa relação por muito tempo. A voz é produzida pelo trato vocal, a partir de um som básico gerado na laringe, o chamado “buzz”laríngeo. A voz é um dos elos mais importantes entre os seres humanos. Apesar disso, ela geralmente não recebe a merecida atenção, a não ser que um problema ocorra e o indivíduo fique impedido de comunicar-se adequadamente (BEHLAU, 2001). A voz é um instrumento fundamental na vida profissional do professor. Como elemento que deve convencer e influenciar o auditório, esta voz requer uma adaptação precisa dos órgãos da fonação sob pena do surgimento de sintomas disfônicos, mais ou menos precoces, prejudiciais ao prosseguimento do magistério (Garcia, 1986; Calas, 1989, Penteado, 1999). O processo de ensino- aprendizagem se entrelaça na comunicação oral com o meio e é praticamente impossível, dentro de uma sala de aula, o não uso da voz, ferramenta indispensável no magistério. Mattiske (1998) observa a dificuldade em se definir a prevalência de distúrbios da voz nos trabalhos publicados. Calas (1989) afirma que os dados de literatura mostram ¹ Estudante do curso de Pedagogia da Universidade Federal de Alagoas, aluna do 5º período que um a cada dois professores da ativa apresenta queixas e sintomas vocais. Conforme Smith (1998) os professores apresentam duas a três vezes mais estas queixas que outros profissionais. De acordo com os dados supracitados a disfonia vocal faz parte do magistério, e é considerada questão de saúde pública, esse fato poderia ser parcialmente resolvido com a implantação da disciplina Técnica Vocal nos cursos de licenciaturas e para aqueles que estão na ativa com cursos de formação continuada baseada nessa natureza. Esses distúrbios vocais podem ocorrer de duas formas: através do abuso vocal ou mau uso vocal, apesar de terem características diferentes se articulam de tal forma que é praticamente impossível decifrar onde um começa e o outro termina, pois os dois também apresentam semelhanças. O abuso vocal ocorre quando o indivíduo ultrapassa os limites de sua voz mesmo utilizando boas técnicas, já o mau uso da voz consiste na utilização inadequada da linguagem por falta de conhecimento de normas e cuidados vocais. A saúde vocal pode ser assegurada pela sua higiene e pelo conhecimento dos fatores de risco que assolam a integridade da mesma. Esse trabalho tem como finalidade informar aos professores e alunos do curso de pedagogia licenciatura sobre a relevância da voz, seus respectivos cuidados e explicitar os fatores de risco que são prejudiciais a saúde vocal, bem como sugerir ao Centro de Educação da Universidade Federal de Alagoas a inclusão da disciplina Técnica Vocal no currículo, tendo em vista que a mesma dispõe de autonomia para executar tal reivindicação conforme a LDBEN 9.394/96. Conforme Behlau(2001) higiene vocal consiste de normas básicas que auxiliam a preservar a saúde vocal e a prevenir o aparecimento de alterações e doenças. As normas de higiene vocal devem ser seguidas por todos, particularmente por aqueles que utilizam mais da voz ou que apresentam tendência a alterações vocais. O cerne da higiene vocal é conhecer como a voz é produzida, identificar os hábitos nocivos que a prejudica e ter conhecimento dos procedimentos básicos para manter a emissão da voz saudável por toda a vida. Os principais fatores de risco prejudiciais a saúde vocal são: o fumo - é altamente nocivo, pois, no momento em que se traga, a fumaça quente agride o sistema respiratório, e principalmente as cordas vocais, podendo causar irritação, pigarro, edema, tosse, aumento de secreção e infecções; o álcool – assim como o cigarro irrita o sistema fonador dando uma sensação falsa de garganta anestesiada ; drogas inaladas ou injetadas têm ação direta sobre a laringe da voz; alergias – é uma resposta de sensibilidade elevada das vias respiratórias a determinadas substâncias , hábitos vocais inadequados – pigarrear, tossir com força e competir com sons de fundo de ruído; uso de ar-condicionado – o resfriamento do ambiente prejudica as pregas vocais provocando ressecamento do trato vocal , além do ressecamento há a questão da competição sonora; alimentação inadequada pode prejudicar a voz se for fazer uso excessivo da voz evite comer chocolate, leite e derivados,alimentos gordurosos e bebidas gasosas; falta de repouso adequado – a energia necessária para colocar as pregas vocais em vibração e produzir a fala é muito grande e pode ocorrer fadiga vocal após o uso excessivo (falar demais) ou uso de voz em grande intensidade (voz muito alta). O aparelho fonador não consegue mobilizar adequadamente suas estruturas para produzir uma qualidade vocal plena. A fadiga pode ser tão intensa que inclui também o cansaço corporal global. O indivíduo pode até parar de falar pelo grande esforço necessário para manter a emissão. Logo uma noite bem dormida é capaz de fazer os sintomas de fadiga desaparecer, caso não procure um especialista; hidratação - para que a vibração ocorra de forma livre e flexível e com atrito reduzido é fundamental que a laringe esteja bem hidratada. Lembre-se a produção vocal precisa da água; esportes abusivos exigem muito esforço muscular como: musculação, vôlei, basquete, boxe e etc. concentram muito esforço no tórax e prejudica a produção de uma voz mais comprimida e tensa. Evite fazer exercícios e falar ao mesmo tempo sobrecarrega o aparelho fonador; alterações hormonais - durante a menstruação, na menopausa, na gestação, na velhice e durante o uso de pílulas anticoncepcionais a voz pode sofrer alterações e medicamentos - tomados por conta própria podem comprometer a saúde vocal e geral, por isso não tome remédios sem prescrição médica para as pessoas que usam a voz profissionalmente tenham cuidado com os seguintes remédios: analgésicos, antibióticos, sprays, hormônios entre outros. Enfim, a voz é extremamente importante em todos os aspectos, e principalmente para aqueles que a usa como instrumento de trabalho, por isso, cuidar bem do trato vocal garante a sua qualidade e longevidade. Palavras - chaves: voz, saúde vocal e fatores de risco .REFERÊNCIAS BERLAU, Mara. PONTES, Paulo. Higiene vocal: cuidando da voz. Rio de Janeiro. 3° Ed.2001 CAVALCANTE, Maria Auxiliadora da Silva; FREITAS, Marinaide Lima Queiroz. O Ensino da Língua Portuguesa nos Anos Iniciais: Eventos e Práticas de Letramento. 1. Ed. Maceió: Edufal, 2008. FUESS, Vera; LORENZ, Maria Cecília. Disfonia em Professores do Ensino Municipal: Prevalência e Fatores de Risco. Disponível em: Acesso em 16 de Março de 2009. ________________________________________

domingo 20 fevereiro 2011 09:36


|

Abrir a barra
Fechar a barra

Precisa estar conectado para enviar uma mensagem para dirleandrade

Precisa estar conectado para adicionar dirleandrade para os seus amigos

 
Criar um blog